Meu Relato de parto prematuro extremo (27 semanas)

07 fev Meu Relato de parto prematuro extremo (27 semanas)

Meu nome é Jéssica, vou tentar te contar um pouco da minha história…
Bom como já disse no inicio meu nome é Jéssica, já tenho um filho de 2 anos e meio que infelizmente nasceu prematuro de 27 semanas, pesando 735g mas como eles perdem após o nascimento ele chegou a pesar 600g. Minha primeira gravidez foi bastante conturbada assim que completei três meses comecei a ter muito sangramento juro que pensei que ia perdê-lo fazia o meu pré-natal no convenio (infelizmente inda não conhecia a Casa Ângela ) chegaram a me internar duas vezes para tomar na veia medicações que diziam eles fariam a minha gravidez ficar um pouco mais segura, além de que quando estava em casa tomava 2 tipos de medicações para “segurar” a gravidez. Mas penso da seguinte forma quando temos que passar por algo não adianta que tentemos inverte-la…
Recebi alta do convenio em uma sexta-feira, no fim-de-semana meu marido fez nossa mudança sozinho, pois eu precisava ficar de repouso absoluto. Na quarta-feira tinha consulta com minha médica fui à consulta continuei com minhas medicações e o repouso absoluto, mas na quinta-feira de manhã acordei com uma cólica que estava incomodando bastante, mas como já vinha sentindo essas “cólica” pensei que não fosse nada demais; me levantei tomei um copo de leite e voltei a me deitar acabei cochilando e acordei com essas “cólicas” ainda mais fortes, mais intensas e doía muito. Como disse quando temos que passar não tem jeito… Acordei já tentando ligar para alguém da minha família, tentava ligar para minha mãe e minha tia mas no numero das duas só dava ocupado (depois fiquei sabendo elas estavam se falando) e eu não queria ligar para minha vó pois ela tem pressão alta e não queria deixa-la desesperada, mas antes de ligar pra ela quando tentava ligar para minha mãe e minha tia cheguei a desmaiar sozinha em casa quando acordei com mais dor tentei manter a calma e parei para contar de quanto em quanto tempo estava sentindo essas “cólicas” quando fui contar já estavam de 12 em 12 minutos e não era a hora certa de ele nascer. Então um pouco mais calma, mas ainda com muito medo e preocupada liguei para minha vó e falei pra ela a situação nossa não teve jeito ela entrou em desespero na hora, mas conseguiu falar primeiro com meu vô que foi correndo para minha casa e depois com minha mãe e minha tia que deram um jeito de ir me buscar…
Chegando na minha casa só pegaram a pasta com todo o meu pré-natal e meus documentos. Saímos correndo tentando chegar ao meu convenio, mas da M. Boi Mirim para Santo Amaro e pleno horário de saídas de escolas e transito ficou difícil chegar até lá então no carro sentindo contrações cada vez mais próximas senti muito sangue saindo ae falei com minha tia e paramos no hospital Campo Limpo, pois era o que estava mais próximo, chegando lá quando viram que meu pré-natal era de convenio ficaram perguntando por que não fui pra lá, que iam me transferir. Pra mim ok tudo bem se me transferissem, mas quando foram me examinar já não dava mais tempo já estava com oito centímetros de dilatação e não tinha como me transferir me levaram então para a sala de pré-parto ali começou meu trauma de hospital. Fiquei em uma maca sozinha com eles falando o tempo todo ao meu redor que era aborto, eu chorava desesperada perguntando como que era aborto se eles vinham toda hora ouvir o coraçãozinho do meu neném e estava batendo ele estava vivo, ae depois de quase gritar por uma explicação me disseram que se ele nascesse bem iriam cuidar dele. Trataram-me mal, me trataram como lixo, perguntando a todo o momento se tinha usado droga, se tinha tomado um remédio que ate hoje nem sei o nome para abortar; até hoje me pergunto como médicos com minha pasta do pré-natal cheia de ultrassons e minhas receitas de medicações e etc ficavam me perguntando o tempo todo essas coisas? Humilhação total.
Bom dilatei completamente, estourarão a minha bolsa e saíram de perto de mim, ganhei na maca com outras mulheres ao meu redor vendo toda aquele cena horrorosa da minha humilhação…
Meu filho nasceu foi direto para a incubadora de transporte para UTI-Neo, continuei na sala de pré-parto sozinha com aquelas mulheres me olhando… Não conseguia parar de chorar diante da minha humilhação, toda suja de sangue e liquido naquela sala fria morrendo de frio e todos passavam por mim como se eu fosse um lixo a não ser por uma moça da limpeza que me viu naquela situação e parou para me ajudar, me deu roupas limpas, trocou o lençol e me deu um cobertor. Perguntava a todo o momento sobre meu filho eles diziam que iam ver como ele estava e me dar noticias mas nada… Fizeram exame de sangue e eu estava anêmica, fiquei o restante da quinta-feira e a sexta-feira inteira na sala de pré-parto, pois diziam que não havia quartos e por eu também ter precisado de duas bolsas de sangue, e esses dois dias sem noticias do meu filho, pois continuavam a me tratar como um nada, fui para o quarto na sexta a noite. Assim que cheguei no quarto só queria saber de ver o meu filho, a enfermeira pediu que eu tomasse um banho para se certificar que eu estava mesmo apta para ir até lá sem que desmaiasse ou algo do tipo… Tomei meu banho e corri para a UTI quando cheguei lá me deparei com uma cena que jamais pensei que fosse presenciar, um pequenino bebe cheio de fios e aparelhos a sua volta… Chorei… Uma confusão de sentimentos tomou conta de mim, desespero, incompetência, inutilidade, todos os piores sentimentos que uma mãe pode vir a sentir…
Não consegui ficar muito tempo lá, sai e quando estava quase chegando no meu quarto vejo minha mãe e meu marido saindo do elevador, corri para os braços deles e chorei mais e mais, o que eu faria para ajudar meu bebe? O que eu poderia fazer? Naquele momento tinha certeza que ele não sobreviveria… Mas DEUS é grande demais e apesar de em diversos momentos ter visto meu filho praticamente falecendo, Deus jamais permitiu que isso acontecesse, hoje entendo que precisava passar por tudo aquilo para amadurecer, para dar mais valor às coisas simples da vida. E depois de 3 meses e 12 dias realmente sai daquele hospital com meu filho nos braços e era outra pessoa.
Minha segunda gravidez não foi planejada mas seu inicio foi bem conturbado, o meu medo e o de todos da minha família de eu chegar a passar pela mesmo coisa ou até de perder minha linda menina era grande e muito.
Uma amiga muito querida da escola ganhou o filho dela na Casa Ângela quando contei a ela que estava novamente gravida ela logo me disse para ir pra lá, no inicio relutei um pouco, ainda tinha muito medo que fosse novamente prematuro, pois no Campo Limpo sempre me diziam que uma vez prematuro os próximos filhos sempre veem prematuros… Mas depois de muito ela conversar comigo, entrei no site e nossa era surreal, fui ao acolhimento para conhecer a Casa e me apaixonei tinha a sensação que ali seria respeitada como mulher e como mãe e também teria toda ajuda e apoio que precisasse; e foi isso mesmo que aconteceu logo no inicio da gravidez eu e meu marido estava em crise, estávamos para separar quando descobri que estava novamente gravida… Sentia-me muito, muito sozinha mesmo. Em um dia de muito desespero não tinha pra onde ir, com quem conversar e corri pra Casa Ângela, e lá fui muito bem recebida chorei todo aquele aperto no meu coração e também orientada a passar com a psicólogo da Casa Ângela para que pudesse ficar bem comigo mesma e com toda a situação que estava passando… Comecei a passar e foi de muita ajuda, ela descobriu que eu estava com depressão e não era de agora era depressão pós-parto do meu filho que não foi tratada e acabou piorando… Lá tive todo apoio que não estava tendo em casa, toda ajuda que estava tendo em casa e fui me apaixonando cada vez mais por aquele lugar e pelo respeito a mulher e ao bebe que eles tem. Graças a Deus essa gravidez não tive problemas só um susto que me deixou mega preocupada por causa do meu trauma anterior mas cuidei tomei a medicação certinha e tudo ficou bem, até agora nada de susto, nada de sangramento e esta tudo muito bem com minha Laura, não me vejo ganhando ela em nenhum outro lugar sonho com o nascimento digno dela todos os dias… Comecei a arrumar a bolsa da maternidade agora e sonhando a cada coisa que acrescento na bolsa com seu nascimento na Casa Ângela, mas tenho certeza que correra tudo bem, que será um parto lindo na agua e vai ser surreal para mim, mas uma experiência que vou querer compartilhar com todas as mulheres. Sei que meu corpo foi preparado para isso e mesmo no inicio com medo de ser prematuro jamais pensei em fazer cesárea, pois na verdade isso não é um parto é sim uma cirurgia. Sou a favor somente se for necessário se eu ou o bebe estivermos correndo algum risco.
Tenho sonhado que minha Laurinha nascera na agua, e vira direto para meus braços e meu marido cortara o cordão. E ela terá nascido num ambiente cheio de amor e claro digno.
Será uma experiência totalmente diferente da que passei na gravidez e parto anterior.
E com esse meu relato quero alertar outras mulheres para que não sofram a mesma violência obstétrica que eu sofri. #compartilhem.

Atte.
Jéssica Rosa Coutinho
06/02/2014

Sem comentários

Publicar Comentário